Sobre
 

O Grupo de Pesquisas e Ensino de Ciências (GPEC) visa promover a pesquisa em ciências físicas e cursos abertos ao público geral. Buscamos sempre divulgar a ciência de modo simples e didático. Acreditamos que um bom ensino é direito de todos e que não há nada que não possa ser aprendido!

Contato
 

Escreva aqui sua mensagem ou nos contate diretamente em:

 

  • Carol Mariano

Como funciona o sistema imunológico?

O sistema imunológico é estudado pela ciência há muito tempo, e ainda hoje problemas relacionados à novos patógenos, ressurgimento de doenças já erradicadas e ideias que vão contra os estudos de imunização são recorrentes. Como o conhecimento é a melhor forma de evitar informações falsas, vamos falar um pouco da fisiologia imunológica.

Os relatos sobre o estudo da imunologia começaram com Tucídides, historiador grego (séc. V a.C)

Relato sobre o fenômeno de imunidade para uma doença que chamou de peste de Atenas: ...”apenas pessoas que haviam se recuperado da praga podiam cuidar de outros doentes, pois não contraíam a moléstia pela segunda vez.”


O quadro“A peste de Atenas” , do pintor belga Michiel Sweerts.


As primeiras descrições de indução de imunidade com o objetivo de salvar a vida das pessoas surge no século XV, nessa época os chineses faziam a inoculação do vírus da varíola, processo que foi referido posteriormente como “variolização”. Porém, o surgimento da imunologia e o primeiro experimento de “vacinação” real, acontece no século XVIII e é atribuído ao médico inglês Edward Jenner.

Jenner conseguiu provar que a varíola bovina conferia proteção contra a varíola humana.



Inoculação do fluído da varíola bovina em crianças.


AVANÇOS: A ERA DOS IMUNIZANTES



Por que o sistema imunológico (SI) é importante?


É essencial a vida: A falta ou deficiência do SI acarreta em doenças graves, que podem comprometer a vida.



O que é o Sistema Imunológico?

É o conjunto de células, tecidos, órgãos e moléculas (componentes) utilizadas para eliminação de agentes ou moléculas estranhas com a finalidade de manutenção da homeostase.

O SI é dividido em duas vias, uma via de resposta inespecífica (inata) e a outra de resposta específica (adaptativa)




Células do Sistema Imunológico

As células do sistema imunológico são produzidas pela medula óssea e estão divididas em quatro categorias:

· Granulócitos (neutrófilos, mastócitos, basófilos e eosinófilos).

· Fagócitos (monócitos e macrófagos).

· Células dendríticas.

· Linfócitos.

NEUTRÓFILOS

São as primeiras células a migrarem dos vasos sanguíneos para os tecidos. Possuem grânulos com enzimas degradativas.

- Sangue periférico (55%)

- Função: fagocitose (“englobamento” dos patógenos)

BASÓFILOS

- Sangue periférico (1%)

- Função: liberar diferentes mediadores químicos, como histaminas, leucotrienos e prostaglandinas.

EOSINÓFILOS

- Sangue periférico (3%)

- Age principalmente em infecções parasitárias por helmintos (vermes) e ainda, em reações alérgicas e asma.

MASTÓCITOS

Presente nos tecidos, próximos a vasos sanguíneos, nervos, órgãos linfoides e sob a pele.

- Função: liberação de grânulos contendo histamina e outros agentes ativos.

Estímulos como: veneno de animais ativam mastócitos independente de anticorpos.

MONÓCITOS/MACRÓFAGOS

Monócito: incompletamente diferenciada. Presente no sangue.

Macrófago: quando o monócito passa do sangue para o tecido, passa como macrófago com função de fagocitose, reparo tecidual, secreção de citocinas e célula apresentadora de antígeno.

CÉLULAS DENDRÍTICAS

- Função: Capturar e apresentar antígeno para os linfócitos T CD4+ virgem (naive)

LINFÓCITOS

· Linfócitos T CD4+ (auxiliares): reconhece macrófagos ativados e é um importante mensageiro do sistema imunológico. Essa célula é a célula alvo do vírus HIV, sendo assim, o vírus impossibilita que o linfócito mande “mensagens” pro resto do sistema.

· Linfócito T CD8+ (citotóxicos): destruição de células infectadas com vírus ou bactérias intracelulares.

· Linfócito B: produção de anticorpos.

· Células assassinas (natural killer): destruição citotóxica de células infectadas por vírus ou células lesadas (imunidade inata); essas células também lisam(destroem) células tumorais.

Anticorpos

Ao contrário do que muitos pensam, os anticorpos não são células do sistema imunológico, mas sim proteínas sintetizadas pelos linfócitos B que circulam livremente no sangue e exibem propriedades específicas para imunidade e proteção contra material estranho.

Onde os anticorpos se encontram?

Dentro da célula: no retículo endoplasmático, no complexo de golgiense e na superfície celular.

(células fagocíticas, células NK e mastócitos)

Forma secretada: no plasma, nas secreções de mucosas e no líquido intersticial.

Existem 5 tipos de anticorpos(imunoglobulinas)

· Imunoglobulina do tipo A (IgA): Função - Ligar-se aos antígenos presentes nos microrganismos antes que eles invadam os tecidos; Presente em alta quantidade nas secreções (lágrima, colostro, saliva, muco...) e nas mucosas do trato respiratório e gastrointestinal. Corresponde de 15 a 20% das Ig.

· Imunoglobulina do tipo M (IgM): Função - É um indicador de infecção recente; Primeiro anticorpo secretado no sangue durante os estágios iniciais da resposta imune. Primeiro anticorpo a ser formado na vida, sendo sintetizado no organismo fetal. Possui alto peso molecular (não é capaz de atravessar a placenta). Corresponde a 10% das Ig.

· Imunoglobulina do tipo G (IgG): Função - Opsonização (facilitar a fagocitose); Principal imunoglobulina presente no soro. Atravessa a placenta. Ig mais abundante nos recém nascidos. Corresponde de 70 a 75% das Ig.

· Imunoglobulina do tipo E (IgE): Função - Relacionado com reações alérgicas; Tem afinidade com receptores presentes na superfície de basófilos. Ativa mastócitos para liberação de histamina (processos alérgicos). Em condições normais, é encontrada em baixo nível no soro. Em quadros alérgicos, é encontrada em alto nível no soro. Não cruza a placenta. Corresponde a menos de 1% das Ig.

· Imunoglobulina do tipo D (IgD): Função - Ser um receptor para antígenos na membrana de linfócitos B. Corresponde a menos de 1% das Ig.

Sistema Linfático

Linfa: Líquido claro formado por plasma sanguíneo e leucócitos (99% linfócitos)

Vasos linfáticos: Responsáveis pela drenagem de líquido tissular (entre tecidos) ou líquido intersticial (entre células) que não foi absorvido pelos capilares sanguíneos, retornando-os à circulação.

Todos os vasos linfáticos que drenam a linfa de todo o corpo se reúnem em 2 vasos maiores (ductos) e devolvem a linfa para a circulação sanguínea.

Um edema é um inchaço causado por acúmulo de líquido nos tecidos.

O que é um Linfonodo?

No caminho dos vasos linfáticos existem os linfonodos. São órgãos que pegam o líquido da linfa e “filtram”.

Como os linfonodos ajudam no combate aos patógenos, é comum algumas áreas (pescoço, axilas, virilhas...) apresentarem inchaço durante uma infecção. São as famosas “ínguas”.


Vacinas





Curiosidade


Dentro do sistema linfático, existem os órgãos linfóides primários e os órgãos linfóides secundários.


Órgãos Linfóides Primários: Originam e amadurecem linfócitos. (Medula óssea e Timo)

Órgãos Linfóides Secundários: Combate intenso de invasores com grande quantidade de linfócitos.


Por muito tempo, o apêndice foi considerado um órgão vestigial, ou seja, um vestígio da evolução. Hoje, sabemos que o apêndice não é algo "inútil". Além de ser um reservatório de bactérias que auxiliam na digestão, o apêndice é considerado um órgão linfóide secundário.



Referências:


Abbas,Abul K.; LICHTMAN, Andrew H.; PILLAI, Shiv. Imunologia celular e molecular. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.


Sociedade Brasileira de Imunizações. Imunização: Tudo o que você sempre quis saber. Disponível em: <https://sbim.org.br/images/books/imunizacao-tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2020.





ESTE CONTEÚDO É PRODUZIDO SEM ANÚNCIOS E DE FORMA VOLUNTÁRIA. POR ISSO, APOIE O NOSSO TRABALHO COMPARTILHANDO E NOS DANDO SUPORTE NAS REDES SOCIAIS!

VOCÊ PODERÁ GOSTAR: